Quinta-feira, 20 de junho de 2019
            








Nota de Repúdio

02/01/2019

Desrespeito a maior negociação coletiva mundial, é marca do primeiro dia do Governo Bolsonaro

No início deste século, durante o Governo do presidente Luís Inácio Lula da Silva, o movimento sindical brasileiro, liderado pela Central Única dos Trabalhadores - CUT - e suas entidades filiadas, realizou, anualmente, a Marcha das Centrais com o objetivo de conquistar avanços na pauta da classe trabalhadora.

Uma das reivindicações mais importantes da Marcha era a valorização e aumento real do poder de compra do salário mínimo brasileiro que, no ano de 2002, por exemplo, tinha o valor de 200 reais, menos de 90 dólares.

Durante o Governo Lula, o diálogo foi intensificado entre os representantes da classe trabalhadora e o Governo Federal. O resultado positivo gerou a maior negociação coletiva da história do Brasil e do mundo, que resultou na atual fórmula de correção do salário mínimo, que iniciou sua vigência em 2012 e, nos dias atuais, beneficia cerca de 48 milhões de brasileiras e brasileiros, tendo um valor que supera 250 dólares mensais.

Neste ano de 2019, o salário mínimo deveria ser reajustado para o valor de 1.006 reais. Porém, no seu primeiro dia de Governo, Bolsonaro assina decreto reajustando o valor do mínimo para 998 reais descumprindo a fórmula de correção vigente.

A atitude de Bolsonaro mostra total desrespeito com a classe trabalhadora. Sinaliza que leis e acordos coletivos podem ser descartados e ignorados. Durante a campanha presidencial, Bolsonaro, em suas propostas, já apresentava seu compromisso com a desvalorização e precarização do trabalho, com sua carteira verde e amarela, e a retirada de direitos, com sua afirmação que realizará a reforma da Previdência sem diálogo com os representantes da classe trabalhadora, acabando com as aposentadorias e benefícios de milhões de brasileiras e brasileiros.

Assim, por meio desta nota, afirmamos nosso total repúdio ao ato de Jair Bolsonaro, em seu primeiro dia de mandato, que desrespeita a maior negociação coletiva da história da classe trabalhadora e sua sinalização de desvalorização, perseguição e precarização dos direitos trabalhistas e sociais de milhões de brasileiras e brasileiros. Também reafirmamos que estaremos ao lado das trabalhadoras e trabalhadores, seja nos locais de trabalho ou nas ruas, na luta pela garantia dos direitos trabalhistas e conquistas sociais, sem dar trégua aos ladrões de direitos.

Rodrigo Britto
Presidente CUT Brasília



    




» Voltar » receber o boletim eletrônico » Encaminhar » Imprimir


  Mais Notícias
 29/03/2019 - Novo prazo para entrega dos documentos na ação da PASUS
 26/03/2019 - Ato-assembleia de servidores públicos aprova ação no Congresso contra a PEC 6
 21/03/2019 - Fique por dentro da agenda da semana
 18/03/2019 - Em defesa dos serviços públicos e da democracia
 28/02/2019 - 16º Congresso: Edital de Prorrogação de Assembleias
[ + ] mais notícias
   
 SBS Qd. 01 Bloco "K" - Ed. Seguradoras 16º e 17º andares CEP: 70 093-900 Brasília/DF Tel.: (61) 3212 1900 Fax: 3225 0699