Sexta-feira, 18 de agosto de 2017
            







Resumo de algumas lutas que garantiram os direitos que temos atualmente

06/07/2017

1906- Greve dos ferroviários paulistas; 1906- primeira Greve Geral em Porto Alegre. Foi iniciada pelos marmoristas, que lançaram um manifesto conclamando todos à paralisação pelas 8 horas de trabalho. Aderiram: pedreiros, têxteis, carpinteiros, pintores, alfaiates, carroceiros, correeiros, marceneiros, etc... Conseguiram a redução para 9 horas;

1907- após uma Greve comandada pela União dos Trabalhadores em Pedreiras (de São Paulo), e com forte repressão, os pedreiros tornaram-se a primeira categoria no Brasil a conquistar as 8 horas de trabalho!;

1907- Greve dos metalúrgicos da Fábrica de Pregos Ipiranga. A jornada de trabalho era de onze horas e meia (com meia hora para almoço) e conseguem reduzir para nove horas (com uma para almoço). Fato importante: expulsão dos furadores de greve e readmissão dos grevistas demitidos fizeram parte do acordo;

1907- o 1° de maio marca a luta pela jornada de 8 horas;

1907- Greve Geral, em São Paulo, pela jornada de 8 horas diárias. A greve começou com os operários das indústrias Matarazzo e foi crescendo. Pararam: produtos alimentícios, construção civil, utensílios domésticos, marmoristas, cerâmicos, curtumes, funilarias,  vidrarias, lavanderias, sapateiros, cigarreiros, marceneiros, relojoeiros, ourives, empregados de limpeza pública, jardineiros, etc... A 15 de julho, com todas as categorias conseguindo vitórias, a greve acabou;

1917- uma prova de fogo: a Greve Geral de São Paulo exigindo aumento de salário, jornada de 8 horas, redução nos aluguéis, direito de organização, normalização do trabalho feminino e infantil, etc... A morte do operário Antonio Martinez, após repressão policial, faz a greve crescer e o enterro do operário foi uma das maiores manifestações já ocorridas em São Paulo.  Era a Primeira Greve Geral em um Estado, atingindo o fantástico (para a época) número de 75 mil trabalhadores em greve.

Os grevistas tomaram conta da cidade por 30 dias. O governo abandonou a capital. Após muita negociação a greve foi suspensa com um acordo. Como em outras oportunidades, terminado o movimento o governo prendeu, espancou, processou e expulsou a maioria dos líderes da greve e não cumpriu as promessas feitas;

1919- uma vitória sem precedente: o Sindicato de Construção Civil (Rio de Janeiro) decretou, por conta própria, a jornada de 8 horas de trabalho em todas as obras em andamento no Rio, a partir de 02/05. O decreto do sindicato tornou-se efetivo e a categoria conquistou a jornada.

1919— Lei sobre acidentes de trabalho;

1925 — Lei de 15 dias de férias;

1926 — Lei sobre o trabalho do menor. Essas leis existiram quase que só no papel.

1927- O governo decretou uma nova Lei contra as organizações sindicais. A Lei Celerada autorizava o fechamento de sindicatos e de jornais operários pela polícia, prisão  de militantes  sindicais, etc;  

1930- Em dezembro com apenas dois meses no governo, Getúlio é sitiado por 300 desempregados que ocupam o Palácio tentando uma audiência; dias depois, uma manifestação diante do recém criado Ministério do Trabalho exigia solução para o o problema do desemprego; em janeiro de

1931, realiza-se no Rio de Janeiro e em São Paulo a Marcha da Fome, proibida pela polícia. Uma nova onda de greves e agitações acelera a criação da “Legislação Social” de Vargas.

1932 - Em março estabelece-se a jornada de 8 horas para os empregados do comércio; em maio a jornada de 8 horas para as indústrias e a regulamentação do trabalho das mulheres; em novembro sai a regulamentação do trabalho dos menores, a estabilidade, aposentadoria e pensões para os mineiros.

1934 -Em janeiro a nova lei de férias para os empregados das indústrias; em maio a estabilidade, pensões e aposentadoria dos comerciários e estivadores; em julho, estabilidade, aposentadoria e pensões para os bancários.

1943 - no dia 1º de maio, foi promulgada a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

1961- há registros de 115 greves no país. Em 14 de dezembro, uma Greve Geral em São Paulo conquistou uma antiga reivindicação do movimento: o chamado “abono de Natal” ou 13° salário, como ficou conhecido. Durante essa greve, a repressão foi tão intensa que o hipódromo foi transformado em cadeia para sindicalistas e ativistas presos. O 13° só virou Lei nacional em julho de 1962, com caravanas de vários estados lotando o Congresso para forçar a votação

1963- há registros de 172 greves; 1963- em janeiro, 20 categorias entram em greve pelo pagamento do 13° salário;

1963- em março, após muita mobilização o Congresso aprova Lei que estende benefícios trabalhistas aos trabalhadores rurais;

Fonte: História do Movimento sindical no Brasil.
Ernesto Germano Pares

Contribuição de Meire Lima.



    




» Voltar » receber o boletim eletrônico » Encaminhar » Imprimir


  Mais Notícias
 04/08/2017 - Debate organizado pelo Sindsep-DF discute o futuro do servidor público
 02/08/2017 - Ato Fora Temer e contra as reformas em frente ao Congresso Nacional
 02/08/2017 - PDV: não caia nessa!
 02/08/2017 - Sindsep-DF comemora 30 anos com festa e revista
 25/07/2017 - Demissão voluntária é mais um ataque ao serviço público
[ + ] mais notícias
   
 SBS Qd. 01 Bloco "K" - Ed. Seguradoras 16º e 17º andares CEP: 70 093-900 Brasília/DF Tel.: (61) 3212 1900 Fax: 3225 0699